A batida do coração durante a morte

John Deering deu seu último suspiro em 31 de outubro de 1938, enquanto tragava seu último cigarro. Após isso o guarda colocou um capuz em sua cabeça. Eletrodos foram presos a seus pulsos, enquanto em seu peito um “alvo era colocado”.

Deering foi voluntário em uma experiência, onde seus batimentos cardíacos eram monitorados durante seu fuzilamento por um “pelotão de execução”.

A ideia do experimento surgiu do Dr. Stephen Besley, o médico da prisão, pois acreditava que a experiência dos últimos segundas da vida do indivíduo poderiam ajudar a ciência.

Mesmo aparentemente demonstrando calma, o eletrocardiograma revelou que o coração de Deering estava com cerca de 120 batidas por minuto, quando o tiro acertou o coração as batidas subiram para 180 por minuto, até que em 15,4 segundos após o primeiro tiro o ritmo das batidas foi baixando, até parar.

“Ele parecia calmo. Mas o eletrocardiograma mostrou que sua aparente placidez escondia as verdadeiras emoções dentro dele. Ele estava morto de medo”, concluiu Dr. Besley.

Para o Dr. Besley esse experimento faz com que a ciência de um grande passo a fim de entender os mistérios do coração.

 

Adaptado de sitedecuriosidades

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Governo britânico quer "filtrar" pornografia da Internet
NASA descobre dois planetas dividindo a mesma órbita
Top 10 momentos sinistros em filmes da Disney
Tudo sobre o mistério das Esferas Klerksdorp
10 inventos feitos por mero acaso
Instituto Butantan fica fechado neste domingo
Reliquias apontam alta tecnologia no passado
Comercial de Clinica de aborto causa Polêmica na Grã – Bretanha
Lei da cadeirinha terá exceção para carros velhos
Top 10 Eventos paranormais que a ciência não sabe explicar
Todos os direitos reservados - 2016