Método científico pode hackear seu cérebro

Metodo cientifico pode hackear seu cerebro

Método científico pode hackear seu cérebro, E se o cérebro pudesse ser “hackeado”? Com base nessa pergunta, cientistas das Universidades de Genebra, Califórnia e Oxford estariam desenvolvendo uma metodologia que decifraria as ondas cerebrais, entregando até mesmo suas informações privativas.

O estudo, que conectou vários estudantes a capacetes capazes de decifrar alguns códigos mentais, mediu a atividade cerebral e conseguiu descobrir alguns dados importantes dos participantes.

Em um dos testes, por exemplo, os pesquisadores pediram que cada estudante pensasse no código de acesso pessoal do cartão de débito. Depois, números aleatórios foram mostrados em uma tela aos participantes e, em um nível subconsciente, o cérebro acabava por entregar os números referentes à senha do cartão.

Como isso é possível?

O grande dedo-duro da história é o sinal cerebral classificado como P300. Os pesquisadores observaram que essa onda atingia picos quando os participantes viam um número familiar ao que eles haviam pensado (como o primeiro dígito da senha, por exemplo). Dessa forma, a técnica da pesquisa conseguiria reduzir de 10% a 40% os dados aleatórios, resultando na diminuição da adivinhação casual.

Tal método, no entanto, ainda precisa passar por aperfeiçoamentos para conseguir “hackear” com total eficiência o cérebro — que é classificado por muitos como o “computador” mais complexo que existe.

Fonte: Mobile Mag

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2010 cortes de cabelo mais badalados
Novas provas indicam que o "HAARP" está a todo vapor
Sons estranhos são registrados na Holanda
Back Pain Relief Product – Hot Market
“Calorões” causados pela menopausa podem durar mais de 10 anos
Muito cuidado ao acessar sites pornô
Analgésicos podem causar impotência
O misterioso Foguete fantasma da Escandinávia
Suposta sereia é filmada em Israel
Internet teria sido prevista em 1974 ?
Todos os direitos reservados - 2016