A batida do coração durante a morte

John Deering deu seu último suspiro em 31 de outubro de 1938, enquanto tragava seu último cigarro. Após isso o guarda colocou um capuz em sua cabeça. Eletrodos foram presos a seus pulsos, enquanto em seu peito um “alvo era colocado”.

Deering foi voluntário em uma experiência, onde seus batimentos cardíacos eram monitorados durante seu fuzilamento por um “pelotão de execução”.

A ideia do experimento surgiu do Dr. Stephen Besley, o médico da prisão, pois acreditava que a experiência dos últimos segundas da vida do indivíduo poderiam ajudar a ciência.

Mesmo aparentemente demonstrando calma, o eletrocardiograma revelou que o coração de Deering estava com cerca de 120 batidas por minuto, quando o tiro acertou o coração as batidas subiram para 180 por minuto, até que em 15,4 segundos após o primeiro tiro o ritmo das batidas foi baixando, até parar.

“Ele parecia calmo. Mas o eletrocardiograma mostrou que sua aparente placidez escondia as verdadeiras emoções dentro dele. Ele estava morto de medo”, concluiu Dr. Besley.

Para o Dr. Besley esse experimento faz com que a ciência de um grande passo a fim de entender os mistérios do coração.

 

Adaptado de sitedecuriosidades

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Fukushima pode eliminar a vida na terra : afirma professor
Resolvido finalmente o mistério de Tunguska
Bizarros mistérios arqueológicos
Fatos históricos previstos por histórias em quadrinhos I
Distúrbios e fascinantes condições médicas
A misteriosa história da foto amaldiçoada #2#
Lei da cadeirinha terá exceção para carros velhos
Nasa decifra sinal de socorro de um planeta condenado fora de nossa galáxia
Dilma cede e suspende 'kit anti-homofobia'
11 recomendações que minimizam a fome noturna
Todos os direitos reservados - 2016