A procura de respostas para o inexplicável

 

a procura

A procura de resposta para alguns mistérios faz com que cientistas e céticos levantem teorias bizarras e até absurdas, as quais quase sempre nunca respondem a estes mistérios  .

O mistério em si nos indaga  sobre o fato relatado e nos faz pensar de uma forma diferente.

E sendo assim para honrar a tradição, agora estamos apresentando nossos próximos dez mistérios – totalizando assim os setenta! É uma sorte que o mundo está tão cheio de acontecimentos misteriosos e coisas que nós podemos entender. Não deixe de apreciar as nossas outras listas de mistérios anteriores.

Então venha com a gente “A procura por respostas a mistérios”

As misteriosas pegadas no Rio Paluxy

a procura

Segundo os paleontólogos,  dinossauros e seres humanos não coexistiram, pois há entre os dois um desencontro de mais de 60 milhões de anos. Mas as provas que pareciam indicar o contrário intrigaram os criacionistas ( fundamentalistas cristãos que rejeitam a evolução e acreditam na interpretação literal do Gênese ) e os teóricos pagãos atraídos às leituras não-ortodoxas da pré-história da Terra.

Em fins da década de 1930, Roland Bird, explorador de campo do Museu de História Natural americano, examinou algumas pegadas curiosas no leito de calcário do rio Paluxy, perto de Glen Rose, Texas. Muitas delas, que os paleontólogos acreditam datar do período cretáceo, há 100 milhões de anos, eram visivelmente de dinossauros. Mas outras tinham um aspecto estranho e indefinido, pareciam muito com pés humanos. Bird rejeitou a especulação de que essas pegadas exigiam uma revisão radical da paleontologia convencional, mas houve quem, chegando mais tarde, não tivesse a mesma prudência. Para alguns essas pegadas eram um golpe para uma odiada doutrina, a evolução. Por volta da década de 1960 os cientistas cristãos argumentaram que a descoberta “sugere a coexistência de tipos simples e complexos no passado ou em eras geológicas”, segundo as palavras de Clifford Burdick, autor de Pegadas nas Areias do Tempo, 1975.”Isto não harmoniza com a hipótese de que os tipos complexos de vida evoluíram das formas inferiores e mais simples”. Ainda, as pegadas, além de porem em dúvida a visão científica de que a Terra é muito antiga, constituem prova da existência de um Grande Dilúvio, por volta de 4000 a.C. No dilúvio, humanos e dinossauros pereceram juntos. E também, como indica o Livro do Gênese, que outrora havia gigantes na Terra. Questões como esta nos lembram de que o mundo é um mistério e que nós mesmos somos um mistério…

A ciência ainda se encontra a procura por respostas a mistérios como estes.

A chuva gelatinosa em Washington, EUA

a procura

Em agosto de 1994, a cidade de Oakville, em Washington recebeu uma chuva de uma substância gelatinosa, transparente que cobriu o lugar de aproximadamente 640 habitantes. Um oficial de polícia teve que parar a viatura pois a substância era viscosa e começou a ‘colar‘ no pára-brisa impedindo a visão.

No dia seguinte, caiu doente. Como disse ele na TV : “…de forma que nunca estive antes, como se meu corpo estive morrendo…”. Uma outra senhora, também foi parar no hospital com muitas complicações. Visão embotada, tonteira, fraqueza e desmaio. Toda a cidade adoeceu. Uma espécie de gripe violenta que levou de um a dois meses para passar. Vários cachorros e gatos morreram. Uma moradora da cidade recolheu amostras da tal gelatina para análise.

Dr. Mike Mc Dowell do Depto. de Saúde de Washington declarou que era algo que continha glóbulos brancos humanos e dois tipos de bactérias, que atingiam o sistema digestivo e que juntas estavam fazendo o estrago.
//
//
Especularam que deveriam ser excrementos humanos caidos de algum avião. A moradora descobriu que, por lei, tais excrementos são tingidos de azul para fácil reconhecimento e a substância era clara como água. Resolveram então mandar mais amostras para um laboratório independente.

Este concluiu que ‘estavam vivas‘ especulando sobre guerra germicida. Moradores declararam que achavam que estavam sendo testados secretamente… ‘para saber o quanto o corpo humano podia aguentar‘… Não existem mais amostras da substância para maiores investigações.

O exército e força aérea que, segundo os moradores, voam constantemente na região, em aparelhos pretos sem identificação, alegaram que haviam feito testes com bombas no mar e que estas tinham‘triturado‘ águas-marinhas que foram levadas à margem, sugadas pela atmosfera e ‘chovidas‘ na região. “Acredite se quiser…”

As pedras de Ica

No início dos anos 1930, o pai do Dr. Javier Cabrera, Antropólogo Cultural de Ica, Peru, descobriu várias centenas de lápides de pedras, nas tumbas dos antigos Incas. O Dr. Cabrera, continuando o trabalho do pai, já recolheu mais de 1.100 dessas rochas andesito, que se estima terem entre 500 e 1.500 anos de idade, e são popularmente conhecidas como Pedras de Ica. As pedras possuem entalhes, muitas delas com desenhos sexuais (o que é comum nesta cultura), algumas mostram ídolos e outras retratam práticas como cirurgia cardiovascular e transplantes cerebrais. Os entalhes mais surpreendentes, entretanto, claramente representam dinossauros – brontossauros, tricerátops, estegossauros e pterossauros. Enquanto os céticos consideram as pedras Icas uma fraude, a sua autenticidade nunca foi provada nem refutada…

O Livro Oera Linda


Imagem maior
O livro Oera Linda é um controverso manuscrito frísio (Frísia, antiga província da Holanda) que trata de temas históricos, mitológicos e religiosos, que primeiro vieram à luz no século 19. Os temas descritos no Oera Linda incluem catastrofismo, nacionalismo, matriarcado, e mitologia. O texto alega que a Europa e outras terras foram, por boa parte de sua história, governadas por uma sucessão de matriarcas que presidiam sobre uma ordem hierárquica de sacerdotisas celibatárias dedicadas à deusa Frya, filha do supremo deus Wr-alda, e Irtha, a mãe terrena. A alegação feita também diz que a civilização Frísia possuía um alfabeto que era o ancestral dos alfabetos Grego e Fenício. O manuscrito da época possui a data de 1256. Alegações internas sugerem que este é uma cópia de um manuscrito mais antigo, que, se genuíno, teria sido escrito por várias pessoas entre 2194 a.C e 803 d.C.

Fósseis Impossíveis

Fósseis, como aprendemos na escola, aparecem em rochas que foram formadas a muitos milhares de anos atrás. Mesmo assim, existe um número de fósseis que não fazem sentido, nem geológico, nem histórico. O fóssil de uma digital humana, por exemplo, foi encontrado em um calcário estimado em 110 milhões de anos de idade. O que parece ser um dedo humano, que foi encontrado no Ártico Canadense também data de 100 à 110 milhões de anos atrás. E o que parece ser o fóssil de uma pegada humana, possivelmente usando uma sandália, foi encontrado próximo a Delta, Utah, em um depósito de xisto estimado ter de 300 à 600 milhões de anos de idade.

Adaptado de :fenomenumouterspace

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Mistérios inexplicáveis #7#
O Caso intrigante do Vôo 401
Arqueólogos ficam perplexos diante de descoberta de Esfinge
Reserva natural é criada para proteger criaturas misteriosas
Antigas estátuas de leões na Turquia intrigam arqueólogos
Especialistas alertam vacina da gripe H1N1 pode causar doenças neurológicas
Apocalipse destruição em massa!
Caverna misteriosa é encontrada no Equador
As maiores pragas da internet
Americana cria dieta polêmica
Todos os direitos reservados - 2016