Atraso na reversão do campo magnético da terra preocupa cientistas

A única coisa que evita que a Terra tenha um ambiente sem vida como Marte é o campo magnético que nos protege da radiação solar letal e ajuda alguns animais a migrarem, e ele pode ser muito mais frágil do que se imagina. Cientistas afirmam que nosso campo magnético está ficando mais fraco e pode praticamente desaparecer em 500 anos, antes de fazer uma reversão completa.

Isso já aconteceu antes – o registro geológico sugere que o campo magnético tem revertido a cada 250 mil anos, indicando que, como o último evento ocorreu há 800 mil anos, outro parece estar atrasado. “O norte magnético migrou mais de 1,5 mil km no último século”, afirmou Conall Mac Niocaill, cientista da Universidade Oxford. “Nos últimos 150 anos, a força do campo magnético diminuiu 10%, o que pode indicar que uma reversão deva ocorrer.”
Embora seja difícil prever os efeitos desse fenômeno, as consequências podem ser enormes. A perda do campo magnético em Marte há bilhões de anos pôs fim à vida no planeta, se é que existiu alguma vida ali, afirmam os cientistas.
Mac Niocaill afirmou que Marte provavelmente perdeu seu campo magnético entre 3,5 bilhões e 4 bilhões de anos atrás, com base em observações de que as rochas no hemisfério sul do planeta têm magnetização.
A metade norte de Marte parece mais nova, porque possui menos crateras de impacto e não tem nenhuma estrutura magnética para contar a história. Portanto, o campo deve ter acabado antes da formação das rochas, que deve ter ocorrido há cerca de 3,8 bilhões de anos.
“Com o campo enfraquecido, o vento solar foi então capaz de arrancar a atmosfera e também houve um aumento da radiação cósmica chegando até a superfície”, disse ele. “Essas duas coisas seriam má notícia para qualquer vida que possa ter se formado na superfície – ou a extinguindo ou forçando a sua migração para o interior do planeta.”
O campo magnético da Terra sempre se refez, mas como continua a girar e a enfraquecer, poderá apresentar desafios – os satélites poderão ficar mais expostos ao vento solar e a indústria do petróleo usa as leituras do campo para direcionar as perfurações.
Na natureza, os animais que utilizam o campo poderão ficar bastante confusos. Pássaros, abelhas e alguns peixes usam o campo para navegação, assim como as tartarugas marinhas, cujas longas vidas, que facilmente podem ultrapassar um século, indicam que uma geração poderia sentir os efeitos.
Os pássaros poderão superar o problema, porque estudos mostram que eles têm sistemas que se fiam nas estrelas e em marcos terrestres, incluindo estradas e linhas de energia, para encontrar o seu caminho.
A Agência Espacial Europeia leva a questão a sério. Em novembro, planeja lançar três satélites para melhorar nosso entendimento sobre a magnetosfera.
O projeto, chamado Swarm, enviará dois satélites a uma órbita polar a 450 km de altura para medir as mudanças no campo magnético. Um terceiro será enviado a 530 km de altura para observar a influência do Sol.
http://noticias.terra.com.br
Nota: Nós já falamos disso aqui várias vezes, porque é que vocês acham que golfinhos, baleias e outros animais migratórios estão se perdendo em suas rotas??

A terra está para inverter os pólos, o processo já está em curso.No vídeo abaixo, cientistas brasileiros palestram sobre questões importantes que estão sendo escondidas do público pela grande mídia.
Inversão Polar, Sismos, Sol, e a Censura da Mídia, na Palestra de Cientistas Brasileiros


Os estranhos sons que estão aparecendo pelo mundo todo já são sinais que o campo está mesmo para inverter..já falamos sobre isso

FATO:
Está em processo uma mudança no pólo magnético da Terra. Não que o planeta vá ficar de cabeça pra baixo com a inversão magnética, “apenas” o campo magnético estará trocado, o que já ocasionará um bocado de problemas, como por exemplo com a migração de animais, como as baleias e pinguins que, por acaso, já estão vindo parar nas costas do Brasil por engano… Os humanos também sofrerão, pois, com a perda da proteção magnética contra a radiação solar, haverá perda ou problemas de comunicação (inclusive celular e transmissões por satélite), e até mesmo a queda de satélites, como inclusive já vem ocorrendo. Esse processo não é novidade: acontece regularmente, tendo sido a última vez há 600.000 anos (talvez por isso vocês não lembrem). As simulações de computador prevêm que pode acontecer rapidamente, já que tal mudança leva em conta muitas variáveis. Uma variável não envolvida é a possibilidade do campo estar sendo afetado de forma não natural, externa, o que tornaria a mudança muito mais rápida, e brusca.

E ainda nem estão falando no fator externo “Nibiru”, que vem se aproximando, e que tem o campo magnético fortíssimo e pode influenciar drasticamente a terra.

Ainda se o sol inverter  seus pólos, a terra que é influenciada pelo magnetismo do sol também corre riscos de inversão.

Fonte:vigilantcitizen

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O que seria a Teoria espacial da Relatividade de Einstein ?
Lançamento, a mais velóz das ferraris
2012 será realmente o fim do mundo?
Por onde andam os atores de "Doze é demais 2"?
Esqueça os extraterrestres essa é a hora de conhecer os intraterrestres
Encontrada em marte, Rocha comum dos Açores
Novas espécies são encontradas em Papua Nova Guiné
Tecnologia avançada é encontrada em Vessel peruana
Buraco gigante em Washington está envolto em mistérios
Top 10 raros e importantes achados arqueológicos
Todos os direitos reservados - 2016