Combustão humana espontânea, o mito ?

=”523″ />

Combustão humana espontânea é um fato bastante controvercio em relação aos fatos que possibilitam seu acontecimento.

Em 1663, o físico dinamarquês Thomas Bartholin descreveu uma mulher que teve uma combustão espontânea “ardeu em chamas e fumaça” enquanto a cama de palha em que estava deitada permaneceu intacta. O estranho incidente, que aconteceu em Paris, é tido como o primeiro registro de um fenômeno que hoje conhecemos – mas que não compreendemos – como combustão espontânea.

A combustão humana espontânea é o nome dado ao raro acontecimento em que uma pessoa queima até virar cinzas, sem causa externa aparente para a ignição.

Características da tal combustão humana espontânea

A maioria dos 200 casos conhecidos de combustões humanas espontâneas (CHE) têm características similares.

Primeiro, o corpo é quase completamente incinerado enquanto a maior parte da área ao redor permanece intocada; apenas o corpo, o chão embaixo e o teto logo acima são afetados.

A segunda característica comum é que o torso é a parte mais consumida pelas chamas, com os possíveis restos pertencentes às extremidades.

A terceira é que assim como não há evidência externa de ignição, também não há anda que supostamente tenha acelerado ou começado o fogo.

Finalmente, a vítima está normalmente sozinha, e em casa, quando encontra o fogo mortal. E geralmente são reconhecidas como vivas quando a combustão começa, mesmo que não sejam comuns sinais de luta.

Há diversas teorias para explicar o fenômeno: explicações paranormais e naturais, envolvendo causas mais ou menos verificáveis.

Entre as explicações naturais mais plausíveis está a ideia de que as vítimas – que tendem a ser idosas, enfermas ou obesas – estão dormindo, ou imóveis, ou ainda mortas por algo como um ataque do coração, e acionam alguma fonte de fogo – comumente um cigarro derrubado.
Uma hipótese conhecida como o “efeito pavio” sugere que alguma faísca externa ou chama queima as roupas da vítima o suficiente para chegar à pele. A pele então libera gordura, que age de modo similar à cera da vela. O efeito foi testado e concluíram que o corpo humano contém gordura suficiente para garantir a própria combustão. Outros estudiosos da combustão humana espontânea têm suas próprias teorias, baseadas em explicações mais “loucas”. Uma delas sugere que partículas como os raios gama causam uma Combustão Humana Espontânea, em uma reação livre de oxigênio – mas como isso acontece e de onde vem a energia é um mistério. Outra explicação ainda não testada é a de que níveis anormais de álcool no sangue atingem o ponto de pegar fogo espontaneamente. Mas os níveis de concentração alcoólica necessários para tanto faz a teoria impossível. Uma terceira ideia é de uma faísca de um acúmulo de eletricidade estática, que inicia o fogo nas roupas da vítima. Mas isso soa pouco plausível para os infernos mortais que tiraram a vida de centenas de pessoas.

7 – MARY HARDY REESER (1951)

Em 1951, na Flórida, os restos carbonizados de Mary Reeser, de 67 anos, foram encontrados na cadeira em que ela estava sentada, com nada mais fora o crânio, parte do pé esquerdo e o osso da coluna. Mesmo com o corpo quase completamente incinerado, houve pouco dano à sala – nada esperado para um incêndio típico. O chefe de polícia local, J. R. Reichet, enviou uma caixa com evidências para o FBI, junto com uma nota: “Pedimos informações ou teorias que possam explicar como um corpo humano pode ser tão destruído, o fogo confinado a uma área tão pequena e tão pouco dano à estrutura do prédio, e a mobília do quarto nem mesmo chamuscada pela fumaça”. O FBI respondeu com a teoria do pavio – um cigarro gerou o fogo.

6 – JOHN IRVING BENTLEY (1966)

John Irving Bentley era um físico de 92 anos da Pensilvânia, encontrado morto em seu banheiro, queimado até a morte. A única sobra do corpo de Bentley foi a metade inferior da perna direita, com o pé ainda usando um chinelo. O corpo queimou tanto que as sobras foram parar no porão, embaixo do banheiro. Um teórico acredita que as cinzas do cachimbo de Bentley caíram nas suas roupas e os fósforos no bolso ajudaram no resultado. O que parece ser um jarro de água quebrado estava na banheira, sugerindo que Bentley tentou apagar o fogo, mas morreu antes de conseguir.

5 – HENRY THOMAS (1980)

Henry Thomas, de 73 anos, foi encontrado na sala de sua casa em Wales quase que completamente incinerado – exceto pelos seus pés calçados e pernas abaixo dos joelhos, e o crânio. Metade da cadeira onde estava também foi destruída, e o calor derreteu o controle da televisão. O policial John E. Heymer comentou que “a sala estava inundada por uma luz laranja, que vinha das janelas e de uma lâmpada. Essa luz é o resultado da luz do dia e da eletricidade sendo filtradas por gordura humana evaporada e condensada nas superfícies. O restante da casa estava completamente intacto”. A equipe forense afirmou que a morte foi resultado do efeito pavio, sugerindo que Thomas caiu na lareira e sentou-se de novo. Entretanto, Heymer discorda, dizendo que o oxigênio na sala fechada não iria permitir o efeito, e ainda lembrou-se das bordas da calça da vítima – “que pareciam queimadas por um laser”.

4 – GEORGE MOTT (1986)

Apenas um crânio encolhido e uma costela foram encontrados depois que George Mott, um bombeiro nova-iorquino de 58 anos, queimou até virar cinzas, junto com a cama onde estava deitado. Investigadores lançaram a ideia de que um arco elétrico e um vazamento de gás tinham causado as chamas. Mott era conhecido como um fumante e bebedor pesado, e não estava com a máscara de oxigênio que costuma usar.

3 – JEANNIE SAFFIN (1982)

Um dos poucos casos de combustão espontânea em que uma testemunha esteve presente é o de Jeannie Saffin, uma mulher de 61 anos com idade mental de seis. Saffin estava sentada com o pai, de 82 anos, na casa deles, em Londres, quando, de acordo com o testemunho do homem, ele percebeu de relance um raio de luz. Quando se virou para a filha, ele a viu coberta de chamas mas sem movimento ou qualquer tentativa de apagar o fogo. Ele tentou apagar o fogo, machucando as mãos no processo. Jeannie sofreu queimaduras de terceiro grau na parte superior do corpo, mas morreu uma semana depois, enquanto estava no hospital.

2 – MICHAEL FAHERTY (2010)

O irlandês Michael Faherty, de 76 anos, foi encontrado morto, com a cabeça perto da lareira, em sua sala. Os danos no local estavam limitados ao teto acima de sua cabeça, o chão logo abaixo, e o corpo, totalmente incinerado. A polícia, entretanto, não acreditou que a lareira foi a causa do incêndio. O coronel afirmou que “esse fogo foi investigado e eu fico com a conclusão de que isso entra na categoria de combustões humanas espontâneas, para a qual não há explicação adequada”. Outros acreditam que as cinzas do fogo tenham sido responsáveis.

1 – ROBERT BAILEY (1967)

Em um estranho caso de combustão espontânea em Londres, um passageiro de ônibus avistou chamas azuis na janela de um apartamento superior e presumiu ser um jato de gás. A testemunha chamou o corpo de bombeiros, e Robert Bailey, um homem de rua, foi encontrado morto nas quentes escadarias do prédio. Um bombeiro afirmou que as chamas azuis – extinguidas com uma mangueira – estavam vindo de uma fenda no abdome de Bailey, que ainda estava vivo quando começou a queimar. Um auto-proclamado especialista em combustão humana espontânea, Larry Arnold, sugere que o fenômeno é o trabalho de uma partícula subatômica nova chamada pyroton, que segundo ele, interage com as células para criar uma mini-explosão, mas nenhuma evidência científica provando a existência dessa partícula.

Fonte:[EnvironmentalGraffiti]// bb_bid = “1611920”;
bb_lang = “pt-BR”;
bb_keywords = ” 'names'))); ?>”;
bb_name = “custom”;
bb_limit = “4”;

bb_format = “bbj”;
// ]]>

jfdghjhthit45

4 comentários a “Combustão humana espontânea, o mito ?”

  1. Bete diz:

    Isso dá medo!!!! Eu nunca tinha ouvido falar,mas o post é bem interessante.

  2. […] Combustão humana espontânea é um fato bastante controvercio em relação aos fatos que possibilitam seu acontecimento…. — Continue lendo em Caixa De Pandora […]

  3. […] é um fato bastante controvercio em relação aos fatos que possibilitam seu acontecimento. Ler Post Completo enigmas, […]

  4. Alex diz:

    Veja: –> 4 benefícios que sentir raiva do ex pode trazer

    A raiva é algo que sentimos quando somos mal-tratados, machucados ou até mesmo diante de desafios que nos mantêm longe de nossos objetivos. Além disso, situações e pessoas injustas também despertam esse sentimento desagradável, mas o que não percebemos é que, algumas vezes, ele pode trazer alguns benefícios. É claro que não devemos alimentar a raiva para sempre, no entanto, por um tempo, ela pode ser, de certa forma, saudável.

    http://dahoravalealex.blogspot.com.br/2012/12/4-beneficios-que-sentir-raiva-do-ex.html

Cientistas Alemães comprovam a existência da Vida Após a morte
Projetos Absurdos da C.I.A
Teria a evolução sido impulsionada pelo clima ?
Especialistas alertam vacina da gripe H1N1 pode causar doenças neurológicas
Top 6: As maires maravilhas do mundo
Mulheres preferem homens magros e ricos
Nova tecnologia permite que telespectador escolha o fim do filme através de suas emoções
Túneis do futuro promete, aumentar a segurança e diminuir filas nos aeroportos
As incríveis habilidades dos bebês
Bactéria da acne pode causar infecções e câncer
Todos os direitos reservados - 2016