Conheça as moléculas que podem alterar a sua memória

Conheca as moleculas que podem alterar a sua memoria

Conheça as moléculas que podem alterar a sua memória, A memória foi sempre um dos fatores de estudo mais abstratos do cérebro humano. Como nós somos capazes, afinal, de armazenar as informações que chegam até nós? A resposta para isso é uma verdadeira aula de química, já que há várias moléculas envolvidas no processo. A psiquiatria continua descobrindo, além de novos compostos, novos fatos sobre a memória.

O cortisol é um exemplo das moléculas que estão, segundo estudos recentes, envolvidas com a memória. Conhecido até pouco tempo por seu papel de resposta ao estresse e à adrenalina, esse hormônio esteroide é também capaz de aumentar a memória em curto prazo (aquela que serve para coisas imediatas e não sobrevive a uma noite de sono).

O estresse por si só, contudo, já foi comprovado como fator que dificulta a memória. Isso cria uma situação inusitada: o estresse é ruim para a memória, mas o hormônio produzido por ela é bom. Essa situação sugere, como explicam os cientistas, um delicado equilíbrio entre a lembrança e o esquecimento. Para ter mais pistas sobre como isso funciona, os pesquisadores estão analisando os neurotransmissores.

Médicos que se especializam no mal de Alzheimer estão conhecendo um novo composto químico: a P7C3. Como se trata de uma molécula que protege os neurônios, um tratamento baseado em P7C3 pode amenizar muito a degradação das células nervosas, característica do mal de Alzheimer, e adiar os seus efeitos mais nocivos em pessoas acima dos 60 anos.

O curioso é que os cientistas, apesar de saberem da importância da P7C3, ainda não entendem exatamente como ela funciona. A molécula foi descoberta através de um método de “abordagem indiscriminada”, que consiste de testes de tentativa e erro com outras substâncias similares. Em outras palavras, sabem que a P7C3 funciona, mas não sabem como ela atua.

Muita gente já quis esquecer algo, apagar um ponto da memória. Um futuro onde haverá um medicamento que permite isso não parece impossível, desde a descoberta da molécula “CaMKII”. Trata-se de um composto grande: quimicamente, é uma molécula mil vezes maior que o cortisol ou a P7C3. E o que torna o CaMKII especial é a suposta capacidade de causar esquecimento.

Os testes, por enquanto, foram conduzidos apenas em ratos. Verificou-se que o CaMKII, após ser injetado no cérebro dos roedores em grande quantidade, diminuía a memória de curto prazo dos animais, em experimentos relacionados ao medo em determinada situação.

O problema, no entanto, é o mesmo do cortisol: para que possa ser aplicado, é preciso haver um ponto de equilíbrio que os cientistas ainda desconhecem. Os testes com os ratos mostraram isso claramente, porque a injeção de CaMKII em excesso afetou outros pontos da memória que eles não pretendiam alterar. Se você quisesse esquecer apenas uma situação embaraçosa pela qual passou ontem, por exemplo, acabaria esquecendo também onde mora, se as doses do medicamento não estivessem corretas.

Os médicos tentam enxergar um futuro para essa aplicação, já que o CaMKII é um composto barato e que pode ser produzido em larga escala. Mas é claro que o seu uso por parte dos humanos ainda está em um futuro muito distante, porque ainda há muito a ser descoberto sobre o assunto.

Alguns psicólogos têm se dedicado a imaginar um futuro no qual o CaMKII, por exemplo, estivesse funcionando, e nós já pudéssemos de fato apagar qualquer memória indesejada. Isso pode trazer uma série de consequências sobre as quais há muito que se discutir.

Pondo em termos práticos: você gostaria de apagar a lembrança de um abuso sexual, é claro, mas será que há necessidade de apagar algo menos marcante, como um fim de namoro, um dia ruim no trabalho ou um mau resultado em um teste?

Os cientistas alertam para o fato de que as memórias (inclusive as ruins) ajudam a formar quem somos, a moldar nosso caráter e personalidade. Apagar qualquer memória à nossa escolha poderia, por exemplo, nos fazer sempre menos preparados para enfrentar aquela situação no futuro. Essa e outras consequências, que ainda estão no campo da suposição, precisam de mais estudo para que se faça um perfil do que um medicamento apaga-memória poderia proporcionar.

Fonte:[PopSci] [io9]

 

Um comentário a “Conheça as moléculas que podem alterar a sua memória”

  1. José Calasans. diz:

    É muito preocupante esse tipo de substância química,pois se alguém ou algum grupo de alguma forma,puder utilizar esse produto de forma errada em grandes quantidades de pessoas só Deus sabe o caus que se formará.Tomara que isso não venha acontecer.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Como estão os atores de "Rocky" atualmente
Anorexia e bulimia podem prejudicar a fertilidade
Quantos sentidos tem um ser humano?
Secretaria nega que goleiro Bruno tenha tentado suicídio na prisão
Os maiores erros da televisão brasileira
As mais tenebrosas lendas urbanas religiosas de todos os tempos
A maior tempestade solar em 7 anos atingiu a terra nesta terça-feira passada
Com que idade uma pessoa deve ser responsabilizada por seus atos?
Conheça a máquina que mede o grau das dores
Maravilhas nas profundezas do oceno
Todos os direitos reservados - 2016