Fatos sobre o enigma nuclear de Mohenjo Daro

fatos

Fatos misteriosos sobre o passado da humanidade não são nem uma novidade para os leitores que acompanham diariamente o caixa, porém apesar de conhecermos inúmeros fatos intrigantes dos mesmos, fatos ainda mais intrigantes não param de surgir,

Imagino que alguns possuem conhecimento a respeito da obra de Erick Von Daniken, o pai da teoria dos astronautas do passado, ele que escreveu o livro “Eram os Deuses Astronautas” e muitos outros que seguem a mesma temática. Ele não afirma em momento algum a existência alienígenas, porém levanta vários fatos históricos que até hoje são um mistério.
Assistindo a um dos episódios da séria “Astronautas do passado”, exibido na History, me deparei com um caso novo em Mohenjo Daro e, é sobre ele que vou tratar neste texto.

Fatos sobre os  mistério de Mohenjo Daro

Mohenjo Daro foi uma cidade da Civilização do Vale do Indo, os Drávidas, localizado atualmente no Paquistão, ali foi considerado o berço da civilização Indiana, esta cidade é um sítio arqueológico com mais de 4 mil e muitos anos, foi descoberta em 1922 por arqueólogos e apresenta alguns fatos e um dos maiores enigmas da antiguidade. Pelas ruas das ruínas da cidade foram encontrados aproximadamente 44 esqueletos com traços de carbonização e calcinação datando entre 1900 e 1500 anos a. C., todos de bruços e muitos segurando a mãos um dos outros, ainda encontraram-se também esqueletos de vários animais. Não foi possível identificar a causa da morte, mas é como e todos tivessem tido uma morte súbita, o próprio meio científico considera que algo diferente aconteceu em Mohenjo Daro.
fatos
fatos
(Ruínas de Mohenjo Daro)
Um enigma que paira sobre o achado destes corpos é referente ao grau de conservação dos esqueletos que permaneciam quase que intactos, não apresentando a deterioração normal do tempo, era como se a morte tivesse sido em poucos anos. Em uma região com muitos animais carnívoros, não era de se esperar tal fato. Também não encontrou-se armas e nenhum dos restos humanos e animais trazia feridas provocadas por armas, o que poderia indicar uma guerra.
fatos
(corpos encontrados nas ruas, todos juntos e alguns de mãos dadas)
Existem sinais de vitrificacão das rochas por toda a volta da cidade, processo que acontece quando uma rocha passa para um estado de magma (através de uma temperatura elevadíssima) e depois novamente para sólido, apresentando uma aparência de vidro. Por algum tempo acreditou-se que poderia ter ocorrido uma explosão vulcânica na região, o que poderia causar a vitrificação das rochas, porém não existem evidências de qualquer atividade vulcânica em milhões de anos pelas proximidades
fatos
(Vitrificação das rochas em Mohenjo Daro)
 Neste local, tudo foi cristalizado, fundido ou derretido. Sessenta metros do suposto epicentro os tijolos foram fundidos em um lado indicando uma explosão. Misteriosamente o local em que se localiza a antiga cidade de Mohenjo Daro, apresenta um grande nível de radiação. O evento horrível misterioso de 4.000 anos atrás foi registrado no Mahabharata.
fatos
Após 20 anos de descoberta e enigmas ainda não revelados, as ruínas de Mohenjo Daro foram novamente estudadas. Um estudo sobre radiação foi realizado no local e mais um mistério surgiu: a cidade possui um nível altíssimo de radiação com origem não identificada. Níveis semelhantes de radiação só são observados em locais que houve alguma explosão nuclear como a região do Novo México (onde houve os primeiros testes nucleares) e nas ruínas de Nagasaki e Hiroshima no Japão. As ruínas da cidade revelam o epicentro da explosão que mede 45 m de extensão. Naquele local tudo ficou cristalizado, fundido ou derretido.
Agora partindo para as teorias dos astronautas do passado. O único lugar que podemos encontrar algum argumento referente ao fato é nas literaturas clássicas indianas.
O Mahabharata é um clássico indiano que descreve uma espécie de explosão catastrófica que abalou o continente, uma batalha travada nos céus.  Evidências contidas no conto indicam semelhanças com a posição geográfica de Mohenjo Daro.  Observe o trecho:
“Um único projétil, carregado com toda a força do Universo… Uma coluna incandescente de fumaça e uma chama tão clara quanto 10.000 sóis, apareceu em todo seu esplendor… era uma arma desconhecida, um trovão de ferro, um mensageiro gigantesco da morte, o qual reduziu às cinzas uma raça inteira. Os corpos estavam tão queimados que ficaram irreconhecíveis.  Suas mãos e unhas caíram, os vasos estavam quebrados sem qualquer causa aparente, os pássaros se tornaram brancos. Após algumas horas, os alimentas ficaram infectados. Para escapar deste fogo, os soldados se jogaram no rio.“
Segundo o historiador Kisari Mohan Ganguli, diversos escritos indianos descrevem uma batalha antiga, ele diz o seguinte sobre a seção Drona Parva do Mahabharata:
“O trecho fala sobre um combate onde a explosão de armamentos de exterminação decimam exércitos inteiros, causando uma multidão de guerreiros com seus cavalos, elefantes e armamentos a serem carregados para longe, como se fossem folhas secas. Ao invés de nuvens na forma de cogumelos, o escritor descreve uma explosão perpendicular com nuvens de fumaça abrindo como um guarda-sol gigantesco. Há comentários sobre a contaminação dos alimentos e do cabelo das pessoas caindo.”
Vale ressaltar que o tais estudos sobre lugares perdidos e enigmáticos passaram a ser considerados a partir do encontro da cidade de Troia, o que até então era apenas uma cidade no poema de Homero, assim como a criptozoologia que ainda é estudada graças ao encontro de espécies enigmáticas ou até então consideradas extintas, como o celacanto.
As escavações na atualidade estão proibidas, por “exigências de conservação” do governo. O mesmo acontece com Nazca… Outra questão intrigante é a respeito dos corpos encontrados, eles simplesmente desapareceram, não por mágica, mas foram roubados juntamente com alguns artefatos recolhidos no local…
O que temos em Mohenjo Daro é uma suposta explosão atômica ou uma guerra nuclear não identificada. Mas como, se a bomba primeira bomba atômica só foi criada em 1945? Sendo que os primeiros testes ocorreram na manhã de 16 de julho de 1945, no deserto do Novo México? Como isso poderia ter acontecido?
Como uma seguidora da teoria dos astronautas do passado não vou me prender a confirmações sobre tais casos, a própria obra de Von é mal interpretada, em momento algum ele afirma algum mistério, ele levanta todos os fatos intrigantes e deixa com para o leitor o raciocínio se aquilo é plausível ou não.

4 comentários a “Fatos sobre o enigma nuclear de Mohenjo Daro”

  1. […] Fatos misteriosos sobre o passado da humanidade não são nem uma novidade para os leitores que acompanham diariamente o caixa, porém apesar de conhecermos inúmeros fatos intrigantes dos mesmos, fatos ainda mais intrigantes não param de surgir,… — Continue lendo em Caixa De Pandora […]

  2. Fabiano diz:

    Aposto que foi algo como o evento em Tunguska, na Sibéria.

  3. […] Explosão nuclear em 1908, creio que muitos estão familiarizados ao evento de Tuguska na Sibéria, fatos similares já teriam ocorrido em tempos remotos confundido ainda mais a nossa definição do que seria o presente e o passado, me refiro evento nuclear de  mohenjo-daro. […]

  4. […] Explosão nuclear em 1908, creio que muitos estão familiarizados ao evento de Tuguska na Sibéria, fatos similares já teriam ocorrido em tempos remotos confundido ainda mais a nossa definição do que seria o presente e o passado, me refiro evento nuclear de  mohenjo-daro. […]

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Experiências relacionadas com"Vida após a morte"
Sons misteriosos continuam assustando os E.U.A
Professora sem vergonha
Descoberta esferas decoradas de 2,8 bilhões de anos
Suposto Crânio de Hitler é na verdade de uma mulher
Top 10 raros e importantes achados arqueológicos
Espionagem em redes sociais
Cientistas preveem que o tempo irá parar completamente
Cientistas conseguem capturar antimatéria por 16 minutos
Astrólogos alertam 21/12 será uma data nefasta
Todos os direitos reservados - 2016