Homem tão velho quanto o carvão ?

Homem tão velho quanto o carvão

Homem tão velho quanto o carvão ? Desde o início da década de 1980, Ed Conrad tem sido acusado pelo Instituto Smithsonian de não possuir integridade na investigação honesta do objecto mostrado na foto ao lado e de outras espécimens similares a rochas que têm sido encontradas na região de antracitos (tipo de carvão fóssil negro) da Pensilvânia (EUA), inclusive uma espécimen que se parece com o perfil de um crânio humano incrustado numa rocha.

Quais as evidências encontradas por Conrad para afirmar que o homem é tão velho quanto o carvão ?

Em junho de 1981, enquanto estava explorando uma área de mineração de antracitos abandonada, próximo a Mahonay City e Shenandoah, Conrad acidentalmente descobriu um grande objecto que tinha uma dramática aparência de um grande crânio antropóide.
Conrad enviou uma foto colorida para o Instituto  Smithsonian e teve uma resposta de Raymond Rye II, especialista do museu no Departamento de Paleobiologia. Rye convidou Ed para trazer o espécimen ao Smithsoniano, para que os peritos pudessem examiná-lo.
Rye e Conrad acertaram uma data e Rye enviou a Conrad uma licença do Museu Nacional de História Natural (National Museum of Natural History – NMNH), para que Conrad pudesse estacionar seu carro dentro da propriedade do Smithsonian, perto da doca oeste, ao fundo do museu.
Em 25 de agosto de 1981, Conrad e seu amigo Clayton Lennon, então com 81 anos de idade, visitaram o museu, e na época Rye colocou vários especialistas para examinarem o espécimen.
Porém, eles não fizeram nenhum teste científico durante o breve exame, e unanimemente concluíram que não se tratava de um crânio antropóide; definitivamente não ósseo e sem dúvida um pedaço de pedra sem valor.
Em tempo algum Rye, ou qualquer um dos especialistas, informou Conrad que a única forma de determinar se o objecto era ósseo seria por intermédio de um exame de sua estrutura celular.
Conrad ficou desapontado mas respeitou a opinião e ofereceu deixar o espécimen em posse do Smithsoniano.
Quando um dos especialista perguntou o porquê, Ed explicou que talvez, se o interior da mandíbula fosse examinado, dentes possivelmente poderiam ser encontrados. Sua resposta causou risadas sarcásticas e, consequentemente ele levou o espécimen de volta para casa.
Vale notar que, se o Smithsonian tivesse aceito ficar com o espécimen – mesmo se ele fosse atirado para um latão de lixo após a visita – sem dúvida Conrad teria desistido e hoje haveria paz e não uma calorosa discussão sobre as suas alegações de que numa camada com mais de 280 milhões de anos de idade foram encontrados restos humanos.
Contudo, ao invés de desistir, Conrad expandiu sua exploração na mesma área e continuou a encontrar mais e mais objectos similares em aparência ao contorno de ossos. Muitos deles estavam incrustados em xisto, o que significa que eram mais velhos do que o material que se formou ao seu redor.
Enquanto isso, Conrad tinha penetrado a área parecida com mandíbula em seu espécimen, com o uso de uma ferramenta pontiaguda e, usando um cabide de arame torcido para formar uma miniatura de pá, ficou maravilhado que pode remover material macio , como barro, de dentro do espécimen.
Finalmente, havia uma grande cavidade dentro da ‘mandíbula’ e, após quebrar aquela porção, Conrad viu que o interior continha um par de inclusões endurecidas parecidas com arcadas dentais.
Fotos foram tiradas de uma das inclusões, e então ampliadas e enviadas para Wilton Krogman, escritor do livro “The Human Skeleton in Forensic Medicine” (O Esqueleto Humano na Medicina Forense; tradução livre do título – n3m3) e um dos homens mais conceituados mundialmente em anatomia comparativa.
Krogman empolgadamente identificou que se tratava de um dente pré-molar, explicando que ele podia facilmente ver que o dente possuía um par de cúspides.
Um ‘dime’ (moeda de dez centavos dos EUA) foi posicionado próximo ao que Krogman identificou como um dente pré-molar, e mais tarde o escritor aconselhou Conrad a fazer uma varredura infravermelha do espécimen.
Homem tão velho quanto o carvão
Esta é outra inclusão que foi encontrada dentro da área parecida com uma mandíbula, no espécimen original de Conrad. Um dentista veterano tirou um raio-X da amostra e, por escrito, declarou que a leitura é a de um dente.
Homem tão velho quanto o carvão (2)
“Oh cara, você tem algo que irá para o livro da paleontologia humana. Dente hominídeo e ‘ossos mamíferos’ fazem uma combinação imbatível!” — Wilton M. Krogman (em uma carta para Ed Conrad, 3 de janeiro de 1984)
Homem tão velho quanto o carvão (2)
ste é o interior da parte similar à uma mandíbula do espécimen original de Conrad. O objecto que Wilton Krogman identificou como um pré-molar é visto quando se olha na direção da flecha.
 

 

Seguindo as recomendações de Krogman, uma varredura infravermelha foi feita no que tinha sido identificado como um pré-molar, pelo American Medical Laboratories em Fairfax, estado de Virgínia, em setembro de 1981.
Porém, quando os gráficos que acompanharam os dados chegaram do laboratório, Conrad descobriu que nem Krogman, nem o patologista que examinou as amostras possuíam o conhecimento para interpretar os resultados da varredura.
Conrad até mesmo telefonou para o American Medical Laboratories, mas foi informado que o laboratório não interpreta as varreduras, somente as executa.
Assim, ele enviou uma cópia dos resultados para Rye no Smithsonian, mas seu pedido para uma interpretação foi ignorado.
TESTES VARIADOS DE VARREDURA INFRAVERMELHA DE UM ESPÉCIMEN DESCONHECIDO: O exame mostra absorvências de aproximadamente 9,8 e 12,8 micrometros; parecendo similar a alguns fosfatos. Cópias da varredura podem ser enviadas a pedido. FIM DO RELATÓRIO.
 
À medida que o tempo passou, Conrad continuou procurando na mesma localidade e encontrou vários objectos anormais que eram similares ao contorno de ossos, embora de coloração castanha clara e peso similares ao de rochas.
Aproximadamente um ano mais tarde, e na mesma área — somente a uma pequena distância de onde ele encontrou o primeiro espécimen parecido com um crânio — Conrad descobriu uma rocha grande na qual um objecto similar a um crânio humano estava incrustado.
Na verdade, Conrad tinha passado pelo espécimen centenas de vezes, mas somente depois de fazer algum estudo sobre crânios humanos é que foi capaz de reconhecê-lo, já que a área da mandíbula estava apontada para baixo.
Homem tão velho quanto o carvão (3)
Esta é a rocha com o que seria um crânio humano. que Ed Conrad descobriu em 1982, aproximadamente um ano após encontrar o espécimen que parecia com um crânio antropóide. O Smithsoniano admitiu que a protuberância realmente parecia como um crânio humano.
Conrad tirou algumas fotos e as enviou para Rye no Smithsonian, o informando que ele havia encontrado mais espécimens na mesma área do primeiro espécimen.
Homem tão velho quanto o carvão (4)
Vista lateral intrigante do espécimen similar ao crânio humano incrustado na rocha revela que a protuberância mais proeminente aparece precisamente onde ocorre em vários outros crânios pré-históricos.

Rye responde após ver as fotos da rocha

Homem tão velho quanto o carvão (3)
Rye finalmente responde a Conrad, dizendo que o espécimen em questão realmente se parece com o perfil de um crânio humano e que para determinar se existe uma estrutura óssea, dois testes precisam ser realizados: 1) um estudo microscópico da casca externa e, 2) exame dos elementos da arcada dentária. Ele ainda pede para Conrad fornecer as peças para que sejam examinadas.
Conrad envia amostras da rocha para o Smithsonian
Conrad aceita o pedido de Rye e moveu algumas amostras da área do que seria o contorno craniano do objecto. Porém, antes de enviar as amostras, Conrad as examinou num microscópio, pois ele já havia aprendido algo sobre a identificação de ossos, que não sabia na data de sua primeira visita ao Smithsoniano no ano anterior.
Agora Conrad estava ciente de que ossos continham pequenos canais, chamados de canais Harvesianos, e que sua presença constitui uma evidência óssea conclusiva, mesmo se o osso estiver petrificado.
É facto científico que os canais Harvesianos são na verdade passagens para nutrientes até o osso vivo e mesmo o processo de petrificação não pode ‘apagá-los’.
Assim, antes de enviar as amostras, os exames microscópicos de Conrad revelaram a presença de ‘pequenos orifícios’ nas peças mais finas, virtualmente idênticos aos ossos de cadáveres à mesma ampliação.
Rye nega que as amostras sejam ossos
Homem tão velho quanto o carvão (3)
Rye diz que o exame de raio-X do material revela que se trata de quartzo. “Assim embora o objecto enigmático exposto na rocha possa parecer com um crânio hominídeo, sua composição mineral é definitivamente não óssea.”
O exame da estrutura celular foi ignorado
Em 11 de outubro de 1982, Conrad escreveu ao Rye, perguntado porque o Smithsonian testou a composição mineral, quando era para examinarem a estrutura celular das amostras que haviam sido enviadas, lembrando que Rye havia declarado em sua carta que um estudo microscópico deveria ser efetuado para determinar se a estrutura era óssea. Mas, de acordo com Rye, isto não foi feito. Ou, se foi, o Smithsoniano queria esconder o facto.
Conrad insistiu que o Smithsonian fornecesse uma resposta sobre a composição mineral.
De qualquer forma, em sua reposta a Conrad numa outra carta, Rye surpreendentemente concordou sobre a necessidade de examinar a estrutura.
Porém, ele ofereceu uma explicação fraca e triste sobre o porquê do Smithsonian não ter feito o teste (embora somente um imbecil poderia pensar que especialistas não tinham examinado a estrutura celular das amostras e não visto os canais Havesianos, assim confirmando que o material É realmente ósseo e que o objecto incrustado na rocha É REALMENTE um osso humano).
Rye diz lamentar não ter feito o teste requerido, pois demandas da equipa e o orçamento não permitiam isso às custas de verbas públicas.
Conrad: Exame de seção óssea não era necessário
Primeiramente, Conrad aponta que o Smithsonian certamente não tinha que preparar para um exame de seção óssea, já que ele poderia facilmente ter usado as amostras como o próprio Conrad o fez. O facto é que Rye tinha pedido as amostras para um propósito específico de exame de estrutura celular.
Enquanto isso, se a preparação e exame da seção de uma amostra fossem tão importantes, porque Rye não tinha mencionado isto antes em sua carta.
Mas ainda pior que isto foi a explicação de Rye que, devido às limitações orçamentárias, o Smithsoniano não podia preparar um exame de seção óssea às custas de dinheiro público.
Na época, como agora, os laboratórios do Smithsonian estão totalmente equipados para preparar exames de seção óssea a custos mínimos e isto é feito todo o dia. As despesa envolvidas seriam quase nada.
Foi quando Conrad teve dúvidas sérias quanto à integridade do Smithsonian. Devido ao que ocorreu, ele tinha certeza que o Smithsoninan não queria nada com uma investigação honesta de qualquer se suas amostras e o estava enganando.
Conrad tinha então o pressentimento (e mais tarde a certeza) de que o crânio incrustado na rocha era realmente humano, mas o Smithsoniano não queria que isto fosse divulgado, obviamente pela repercussão que causaria.
E ainda mais importante, os especialistas do Smithsonian sabiam que se um crânio humano fosse descoberto na camada carbonífera, isto significaria que o homem habitou a Terra milhões de anos antes dos evolucionistas de Darwin o colocarem aqui.
Eles também sabiam que este facto iria aniquilar, num só golpe, a teoria da evolução de que o homem havia se originado de animais inferiores há 60 ou 65 milhões de anos, já que a descoberta de Conrad significa que o homem já estava por aqui muito antes.
Já que a ciência estabelecida tem mantido por muito tempo que o carvão formou-se há mais de 280 milhõe de anos, o Smithsonian estava ciente de que, se confirmada, a descoberta de Conrad iria abalar as fundações da maioria de suas teorias.
E agora Conrad oferece prova da falta de integridade do Smithsonian, apresentando fotos microscópicas das amostras removidas da rocha, tendo ele realmente encontrado um crânio humano petrificado, que é tão velho, senão mais velho do que o carvão.
O que o Smithsonian não quer que você veja
Homem tão velho quanto o carvão (5)
Amostras que foram removidas do espécimen similar ao crânio humano incrustado na rocha, revelam os canais Harvesianos, que são indicadores de estruturas ósseas. Esta foto foi tirada com uma ampliação de 400x. Devido às diferenças em altura, porções da foto estão fora de foco.
Os canais Haversianos nas amostras da rocha, vistos à uma ampliação de 800x.
É importante enfatizar que, quando Conrad estava sendo enganado pelo Smithsonian quanto a honesta investigação de seus espécimens, ele levou o assunto para Gus Yatron, seu congressista (Deputado Federal), em 1984. Conrad falou para Yatron sobre a falta de integridade do Instituto Smithsoniano quanto a investigação honesta de seus espécimens. O gabinete de Yatron diplomaticamente contactou o Smithsoniano em pról de Conrad e, como resposta, recebeu um carta hostil e extremamente sarcástica do administrador do Instituto, Secretário Robert McCormick Adams.
Homem tão velho quanto o carvão (8)
Conrad prova ao Deputado que o Instituto Smithsonian estava mentindo e que tinha relamente agendado seu aparecimento lá, até recebendo permissão para estacionar no Instituto.
Homem tão velho quanto o carvão 9
Ed Conrad em foto de janeiro de 1983, na frente do buraco cavado por uma escavadeira, para alcançar e remover antracito dos veios próximos à superfície. Foi entre estes veios que Ed Conrad insiste ter encontrado ossos petrificados, dentes e até mesmo órgãos, alguns deles humanos, provando que o homem habitava a Terra na época em que o carvão estava se formando.

 

 Mais informações a respeito do teste de varredura infravermelha

Como mencionado anteriormente, Conrad estava muito frustrado tentando obter uma interpretação dos resultados da varredura infravermelha recomendada por Wilton Krogman. Não somente o Smithsoniano falhou na interpretação da varredura, mas também várias universidades ignoraram seu pedido. Na verdade, à medida que o tempo passou, Conrad acabou esquecendo sobre os resultados do teste.
Finalmente, em novembro de 1989, oito anos depois da conclusão do teste, Conrad descobriu, após ler um artigo de jornal, que um médico cirurgião no nordeste da Pennsylvania tinha conhecimento para interpretar o teste. Conrad educadamente pediu para que ele interpretasse o teste (mas não mencionou que a amostra foi identificada por Wilton Krogman como sendo de um pré-molar). Ele concordou em analisar os resultados apresentados por Conrad e apresentou uma breve, mas fascinante resposta:
“Esta varredura identifica seu material como sendo compatível, ou com um dente, ou com um osso. O teste não indica a idade do material, nem a origem do espécimen (ex.: humano, ou não).”
Este debate da ciência estabelecida versus os achados de Ed Conrad e seus apoiantes perdura até hoje. Quem estaria com a razão?

fonte: Ovni Hoje

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

As mais doidas fantasias de Halloween combinadas
Mitos e verdades sobre pedofilia
O projeto conectoma humano, que visa desenvolver supercomputadores
Bebê surge com uma pena no pescoço
Cápsulas com carne humana são apreendidas na Coréia do Sul
Vacina contra HPV reduz sinais precoces de câncer
Mistérios antigos e jamais desvendados que envolvem a vida extraterrestre
Grandes enigmas da humanidade #3#
Os mistérios mais alucinantes de todos os tempos I
Firefox 9 para tablets com android ja foi lançado
Todos os direitos reservados - 2016