Mistérios da Ciência dos quais a medicina ainda não possui resposta

Misterios da Ciencia dos quais a medicina ainda nao possui resposta

 

Mistérios da Ciência dos quais a medicina ainda não possui resposta, Vamos então aos mistérios da ciência dos quais a medicina ainda não possui respostas, como por exemplo: por que só metade das fertilizações in vitro resulta em gravidez?Para a tristeza daqueles que querem ter filhos, ninguém faz a menor idéia. Na fertilizaçãoin vitro(FIV), o médico estimula a ovulação múltipla na mulher (ela libera vários óvulos em vez de apenas um), induz o amadurecimento dessas células, colhe as melhores e injeta nelas o sêmen do marido. Depois disso, verifica quantos óvulos foram fertilizados, acompanha o seu desenvolvimento por um tempo em laboratório e transfere para o útero até quatro dos embriões então formados.  Parece garantido, mas a taxa de gravidez é de apenas 50%. Segundo o especialista em fertilidade Selmo Geber, diretor da Rede Latino-Americana de Reprodução Assistida, o problema – e o enigma – está no momento em que os embriões “grudam” na parede do útero. Isso só acontece em metade das mulheres, quando deveria ocorrer com todas elas.

 

 

 

O pensamento positivo é capaz de curar?

Vários estudos sugerem que, como disse a médica Laura Kubzansky, da Universidade de Harvard, “o otimismo é protetor e o pessimismo é prejudicial”.Uma pequisa da Universidade de Pittsburgh (EUA) até já concluiu que mulheres otimistas tinham um risco 9% menor de ter problemas cardíacos e 14% menor de morrer por causas relacionadas à idade (todas tinham mais de 50 anos). Outro estudo israelense revelou que mulheres passando por problemas familiares graves tinham maior risco de desenvolver câncer de mama. Contudo, ninguém sabe explicar ainda como isso acontece nem precisar quais são os mecanismos envolvidos aí.

 

 

 

Qual a origem do autismo?

O transtorno que faz com que a pessoa tenha dificuldades em se comunicar, estabelecer relacionamentos e interagir com o mundo ao redor é cercado de mistérios e especulações. Tanto é que alguns especialistas acreditam que não se trata de uma doença só, mas sim de várias. Embora haja alguma evidência de que a origem do autismo seja, pelo menos em parte, genética, existem outras que atestam uma ligação com infecções virais e com a fenilcetonúria (uma doença genética, causada pela falta da enzima fenilalanina hidroxilase). Qual o verdadeiro culpado? Ninguém sabe. Também ainda não foi possível explicar por que o autismo é mais comum em pessoas do sexo masculino.


 

 

 

O que provoca a esquizofrenia?

A doença atinge 1% da população mundial, mas ainda não se conseguiu descobrir sua causa ou cura. Os esquizofrênicos costumam ter alucinações e delírios quando estão em crise e, no dia a dia, podem ter problemas de memória, ansiedade e depressão. Estudos indicam que as alterações no sistema nervoso do doente têm origem genética e já começam antes do nascimento. A pessoa teria, então, um desenvolvimento cerebral anormal ao longo do crescimento, que geraria desequilíbrios na produção de substâncias reguladoras dos processos cerebrais. Mas o psiquiatra Jaime Hallak, da Faculdade de Medicina da USP, afirma: “Mesmo conhecendo o padrão genético, não sabemos quais genes atuam na esquizofrenia”.

 

 

 

Como se explica a doença que faz com que as pessoas achem que clones tomaram o lugar de um parente ou cônjuge?

Sim, essa é uma doença real: mais de 400 vítimas da chamada síndrome de Capgras, entre 1958 e 2004, passaram a acreditar que o pai, filho, marido ou qualquer outro indivíduo bem próximo foi substituído por um clone. Para elas, a pessoa que está ali na sua casa é um impostor. O motivo dessa reação bizarra é um mistério. Enquanto uma pesquisa nos anos 80 mostrou que os portadores da síndrome apresentavam um reconhecimento emocional, mas não consciente da pessoa “clonada”, um outro estudo nos anos 90 mostrou o oposto. Além disso, algumas pesquisas mostravam que o problema estava relacionado à imagem da pessoa – mas a síndrome também acomete indivíduos cegos! Ninguém sabe também por que as mulheres são as principais vítimas da doença, nem por que o “impostor” é, na maioria das vezes, o marido (coitado!). O tratamento é feito com terapias psicológicas e medicamentos antipsicóticos, mas não é de eficácia comprovada.

Fonte:http://fimdepapo.org

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Os gifs mais engraçados da internet #5#
Os 10 desastres naturais mais mortais da História
Perdido por 87: sapo-arco-íris-de-bornéu é redescoberto
Deu a louca nos animais
as leis mais estranhas do mundo
Dentes pustiços a 400 anos atrás ?
Tudo sobre o mistério das Esferas Klerksdorp
Os estranhos poderes do efeito placebo
Composto de planta acaba com o câncer em 40 dias
Gandhi em Marte?
Todos os direitos reservados - 2016