Foi então que ele resolveu apelar à internet. Jogou “zumbido incomum de baixa frequência” no Google e descobriu que existia até um nome para esse fenômeno, que atingia o planeta inteiro: o Zumbido Mundial. Mas o que estaria o provocando? De onde ele surgia? Por que só algumas pessoas o escutavam? Essas perguntas martelaram a mente do professor durante algum tempo…

O professor Glen MacPherson começou a estudar o fenômeno em 2012

Primeiras teorias

Na maioria dos casos, as pessoas relatam o zumbido como o de um motor de um caminhão em marcha lenta. Outras já falam que é um barulho que parece ser muito distante. Um terceiro grupo diz que o Zumbido Mundial é algo bem alto! Todas essas interpretações ganharam força quando um geocientista resolveu estudar o fenômeno.

Em 2004, David Deming resolveu investigar aquilo que ele estava ouvindo e não conseguia explicar. Ele descobriu que relatos do tal zumbido começaram na década de 1960, na Inglaterra! Nos Estados Unidos, as primeiras descrições ocorreram 20 anos depois, no estado do Novo México.

Uma das primeiras teorias descobertas por Deming é de que o ruído estranho era provocado por torres de eletricidade e de telefonia celular. Entretanto, não existiam celulares nos anos 60. Além disso, a frequência emitida pelas torres de energia são facilmente bloqueadas com caixas de metal.

Primeiros relatos apontavam as torres de celular e de energia como as responsáveis pelo fenômeno

Projeto secreto

Depois, o geocientista cogitou a hipótese de histeria coletiva. Existem rumores de que ilusões podem ser compartilhadas por pessoas que não possuem nenhum tipo de conexão entre si. Só que, na maioria desses casos, quem sofre disso já ouviu falar da experiência sensorial pela qual está passando – algo diferente do Zumbido Mundial, em que muitas pessoas sequer tinham conhecimento prévio antes de ouvi-lo.

A descoberta da existência do Projeto Aurora, no Alasca, lançou uma nova luz nas pesquisas de David Deming. O experimento militar ultrassecreto é alvos de vários teóricos de conspirações e poderia ser responsável pelo zumbido. Quem viaja nos poderes desse projeto acredita que ele possibilitaria controlar o tempo e a mente humana!

Será que o Projeto Aurora seria capaz de produzir emissões otoacústicas? Ou seja: ondas que fariam as células ciliadas do ouvido vibrarem produzindo um som interno, escutado apenas pelo indivíduo? Deming foi analisar a possibilidade através de ondas de rádio com frequência muito baixa – entre 3 kHz e 30 kHz. Ele acabou não seguindo essa teoria, mas seus discípulos a testam até hoje.

Emissões otoacústicas poderiam responder o enigma do zumbido

À beira da loucura

Voltando a Glen MacPherson, ele relata outras teorias absurdas encontradas na internet: túneis subterrâneos, segmentação eletrônica, alienígenas (é claro) e até mesmo o acasalamento de peixes! Uma ideia mais biruta do que a outra… Como existe uma aura de mistério muito grande, o professor começou a criar um banco de dados com informações detalhadas de pessoas que afirmam escutar o Zumbido Mundial.

Alguns relatos contam que o ruído é tão perturbador que está levando à loucura quem o escuta. Outras pessoas, como MacPherson, dizem ter apenas uma curiosidade sobre o responsável pelo som. É preciso entender que existem diversas causas médicas que podem levar pessoas a ouvirem zumbidos incomuns, por isso a importância de relatos de pessoas que já ouviram os dois tipos de barulho.

Esse banco de dados chegou a resultados curiosos: a média de idade das pessoas que dizem ouvir o Zumbido Mundial é de 40 anos, e ele afeta principalmente os homens. Além disso, existência uma incidência 8 vezes maior de pessoas ambidestras entre quem ouve o barulho do que no resto da população do planeta. Coincidência?

Zumbido tem levado pessoas à loucura, de acordo com alguns relatos

Conclusões?

Os estudos atuais indicam que o Zumbido Mundial pode ser realmente produzido por ondas de rádio com frequência muito baixa – algo sugerido por David Deming. O professor Glen MacPherson está estudando essa teoria, já que grandes potências mundiais utilizam essa faixa de rádio para se comunicar com submarinos. Isso toma força com as teorias de que cada corpo interpreta a energia eletromagnética de uma maneira diferente: por isso algumas ouviriam o tal zumbido e outras não.

Outra vertente de estudo acredita que todo barulho de baixa frequência pode se acumular e ser escutado por algumas pessoas com ouvidos mais sensíveis, sendo proveniente desde carros em rodovias até máquinas em indústrias. Uma terceira hipóteses atualmente analisada é a de que fenômenos geológicos podem produzir essas frequências. Algo semelhante a isso acontece com animais que “preveem” terremotos, isto é, que escutam frequências inaudíveis ao ouvido humano e que precedem essa catástrofe.

Por fim, existe até mesmo a possibilidade de o zumbido ser alguma predisposição genética, gerado internamente no ouvido de alguns “felizardos”. Todas essas possibilidades precisam ser estudadas, mas Glen MacPherson alerta que não devemos nos espantar se algum dia algo absurdo for concluído como o responsável pelo Zumbido Mundial – tipo o acasalamento dos peixes.

Por que não?