O misterioso incidente de Tunguska

O misterioso incidente de Tunguska é para muitos um extremo mistério não resolvido onde pessoas e cientistas estudam e defendem teorias de á muitos anos até á actualidade, perante anomalias e um caso insólito ocorrido em 1908.
Para muitos um conceito cientifico para outros um tema para-científico enquanto existem os que defendem a teoria da conspiração um Roswell na Rússia Siberiana.
Da ficção á realidade creio que seja importante observarmos as várias vertentes do caso Tunguska em todos os ângulos afim de se obter uma história mais plausível ou podermos definir traços mais coerentes e não defendermos o que muito lemos na Internet onde cada um defende a sua teoria com certezas infundadas.
Por esta razão resolvi escrever este tema com várias pesquisas e recolha de informação perante as várias vertentes existentes sobre Tunguska.
Ao que sabemos alguma coisa explodiu sobre Tunguska em 1908 destruindo mais de 80 milhões de árvores eliminado ou exterminando animais e possivelmente até seres humanos.
Agora a grande questão e mistério é o que se passou realmente sobre a Floresta de Tunguska!
Pelos estragos feitos se calcula esta explosão teria a força de 500 bombas atómicas.
Exagero ou não os estragos são muito elevados numa orla de 2,2 mil quilómetros quadrados de floresta.

Semenow tinha um velho hábito: levantar-se de madrugada, preparar-se para as tarefas do dia na fazenda e, por fim, observar o horizonte, à espera do despontar do sol. Naquele dia, Semenow viu surgirem dois sóis no horizonte: Um deles terrivelmente mortal. Não muito longe de sua fazenda; o boiadeiro Luchektan começava a tanger 1 .500 cabeças de gado. Luchektan era de temperamento menos contemplativo , e para ele o sol tinha uma finalidade meramente utilitária: servia para iluminar e aquecer a Terra. Mas um sol era mais do que suficiente; de bom grado teria dispensado o segundo.

Nenhum daqueles dois homens sabia – na verdade, ninguém sabia – que aquele segundo sol era algo tâo desconhecido quanto fatal. Tudo aconteceu muito rapidamente , naquela manhã de 30 de junho de 1908, e como o agente causador do fenômeno não deixou qualquer vestígio, até hoje não se tem ainda a noção exata do que se passou naquela região da Sibéria, entre os rios Tunguska e Lena.

Na ocasião – e por muito tempo – pensou-se que o local havia sido atingido por um meteoro pesando muitas toneladas. Já na década de 40 e nos anos 60, chegara-se à conclusão de que não era um meteoro, mas também não se tinha qualquer certeza sobre o que teria sido. Fosse o que fosse, ao atingir a Terra liberara energia superior à da mais destruidora bomba de hidrogênio. Atualmente se considera a hipótese de que naquele dia, nosso mundo tenha sido atingido apenas por um grão de poeira cósmica, algo menor que a cabeça de um alfinete, mas de bilhões de toneladas. Acredita-se que o estranho e ínfimo corpúsculo não deixou vestígio porque ao colidir com a Terra à velocidade de 40 mil quilômetros horários , ele atravessou o planeta numa fração de tempo e saiu num ponto do Polo Norte rumando novamente espaço afora.

Em termos astronômicos, o fenômeno —- qualquer que tenha sido — foi tão rápido e inconsequente como se não tivesse acontecido . Em termos terrestres e principalmente humano, foi algo tão terrífico que ainda hoje, passado quase setenta anos; continua deixando perplexo os que procuram entender o que aconteceu naquele dia .

Eram 7 horas da manhã , quando o fazendeiro Semenow, que contemplava o nascer do Sol, viu o céu se iluminar com uma luz fantasmagórica. Um calor sufocante o atingiu e ele ainda pôde ver um segundo sol cortando o céu a grande velocidade. 0 estranho astro desapareceu no horizonte e, antes que Semenow pudesse imaginar o que acontecia uma onda de ar quente o envolveu e o arrancou do solo; a sensação, diria ele depois, era de que estava sendo consumido em chamas. Ao cair de novo no chão, perdeu os sentidos. Voltando a si, ainda atordoado e perplexo demais para pensar, olhou ao redor e levou outro susto: sua casa havia sido volatilizado, e toda a paisagem ao redor apresentava o aspecto de terra arrasada.

O boiadeiro Luchektan tocava suas reses em meio da penumbra que se dissipava, para dar lugar ao sol que surgia. Subitamente o céu se iluminou, estranha e rapidamente demais para ser normal. Luchektan sentiu o calor de fornalha e a onda engolfante de ar quente. Antes de desmaiar, ainda viu um homem, seu cavalo, vacas e bezerros sendo arrastados. Depois, só havia devastação: algumas carcaças de gado jaziam entre os restos de vegetação arrancada do solo e nada demais; nenhum outro sinal de vida.

A 750 quilômetros dali , uma locomotiva pontilhava o ar com golfadas de fumaça e vapor, enquanto arrastava a composição de passageiros, a maioria dos quais ressonando pesadamente depois de uma noite mal dormida. Alguns mais despertos ouviram o rumor longínquo, abafado, indistinto. Notaram que o rumor aumentava rapidamente de intensidade; algo como o ribombar de um trovão que viesse de encontro ao trem. Inesperadamente, os vidros das janelas quebraram- se, cortinas foram arrancadas dos suportes, a madeira estalou e partiu, o trem inteiro sacudiu, pessoas gritaram.

A onda de ar que arrasara a fazenda de Semenow e matara a boiada de Luchektan continuava se propagando e destruindo, com força ainda para arrancar dos trilhos um trem que trafegava a centenas de quilômetros do local onde surgira. No caminho, ela foi secando a água de rios e riachos, e produziu um abalo subterrâneo que se propagou além dos limites da Sibéria e da Rússia e que foi registrado pelo sismógrafo de um observatório inglês a mais de 8 mil quilômetros de distância. Paralelamente, o observatório astronômico de lrkutsk, situado na Sibéria a poucos quilômetros da fronteira com a Mongólia, assinalou inexplicável alteração no campo magnético terrestre.

Cientistas se dirigiram ao local do impacto para examinar os destroços daquilo que seria um provável meteoro, e especialmente para examinar o seu núcleo, que – acreditava-se – estaria enterrado muitos metros abaixo da cratera que forçosamente teria se formado no ponto de colisão com a crosta terrestre. Decepção constrangedora: ao redor, num raio de 32 quilômetros, a floresta ficara inteiramente calcinada e desaparecera todo e qualquer sinal de vida, mas não havia um único estilhaço de meteoro, e mais surpreendente ainda, não havia nenhuma cratera na área.

A falta de melhor explicação, imaginou-se que o meteoro, ao se aquecer subitamente no atrito com a atmosfera densa, desintegrara-se antes de atingir o solo razão pela qual não teria ocorrido a colisão nem se formado a inevitável cratera. Mas outros contestaram esse argumento, afirmando que em tal hipótese, os fragmentos teriam se espalhados nas redondeza e teriam sido localizados, coisa que não aconteceu. Afinal, o que teria atingido a Terra naquele dia?

Se fosse um meteoro convencional, que tivesse deixado cratera todos demais vestígios de praxe , o caso teria sido academicamente estudado, catalogado e esquecido. Porém, o mistério que cercou o fenômeno serviu para aguçar a curiosidade dos cientistas, obrigando-os a queimar uma quantidade inusitada de fosfato, na tentativa de solucionar a questão. Se não chegaram a uma conclusão, pelo menos levantaram várias hipóteses e elaboraram muitas teorias a respeito do fenômeno.

Apesar de os indícios não ajudarem, no início prevaleceu a ideia que teria sido mesmo um meteoro agente causador dos danos e abalos naquele 30 de junho. Houve mesmo quem calculasse seu peso: 40 mil toneladas, nem um grama a menos Nos anos e décadas seguintes, porém , uma das principais teorias sobre o fenômeno foi a da anti-matéria, ou do universo inverso, onde existiriam anti-astros, cujos núcleos atômicos seriam idênticos, mas opostos aos das galáxias. Nesse quadro, o que se chocou com o solo siberiano, naquela ocasião, não foi um bólido de estrutura atômica conhecida, mas um pequeno fragmento de anti-matéria, possivelmente tamanho de uma bola de pingue-pongue.

0 contato do fragmento de anti-matéria com a superfície terrestre teria provocado imensa explosão, que liberou energia superior a qualquer bomba então conhecida. Essa teoria, lançada em meados da década da passada pelos físicos C. Atluri e Clyde Cowan, pareceu fantástica então, mas não tanto quanto à lançada no final de 1976 pelos cientistas soviéticos Vladimir Stulov e Georgi Petrov. Segundo eles, o mistérioso fenômeno siberiano foi provocado por uma gigantesca bola de neve, remanescente do núcleo de um cometa.

O bólido de neve, desenvolvendo uma velocidade de 40 mil quilômetros horários, penetrou na atmosfera terrestre e, graças à sua baixíssima temperatura, manteve-se incólume até chegar à altitude de 80 quilômetros. A partir daí, à medida que o caía, maior se tornou o atrito com as camadas mais densas de ar, produzindo uma coluna incandescente. Por fim, o rápido e intenso aumento de calor provocou a desintegração da esfera de gelo; resultando uma explosão tão potente que arrasou toda a espécie de vegetação num raio de dezenas de quilômetros, produziu danos a centenas de quilômetros e foi ouvida em regiões muito distantes.

Mais recente que a teoria da bola de neve a do “buraco negro” , apresentada pelos físicos norte-americanos A. A. Jackson e Michael Ryan Jr., ambos da Universidade do Texas. 0 grande problema dessa tese é que a ciência não sabe o que são os chamados “buracos negros” existentes no céu. Tudo o que existe até agora sobre esse fenômeno sideral são conjecturas.

Explicar o incompreensível por meio de algo desconhecido não faz sentido. Aliás, na própria palavra buraco está implícita a ideia de inexistência. Então, nosso planeta teria sido atingido por algo que não existe? “Buraco negro” é uma região do céu onde aparentemente não existe nada, exceto a tal negritude que lhe dá o nome, mas de onde ; provem poderosas emissões de raios X perfeitamente captáveis na Terra. Várias hipóteses têm sido levantadas na tentativa de explicar o que sejam esses pontos do espaço. Segundo uma delas, os “buracos negros” são astros constituídos por anti matéria de estrutura nuclear inversa à da matéria comum, o que os torna invisíveis aos nossos olhos. Se isso for correto estaria certa a teoria de Atluri e Cowan de que a desintegração de um corpo sideral de anti matéria ocorrida em era remota teria lançado fragmentos por todo o espaço, um dos quais acabou se chocando com a Terra.

De acordo com outra hipótese, os “buracos negros” são corpos celestes formados de uma matéria tão densa e tão extraordinariamente brilhante que os seus raios estarianü situados numa faixa não perceptível aos nossos olhos . Daí a razão pela qual, nos pontos do espaço ocupados por eles; tem a impressão de que há uma espécie de vácuo ou buraco. Impressão falsa, corno o demonstram fortes ondas de rádio precedente desses pontos . Os físicos Jackson e Ryan Jr. inclinam-se por essa teoria ao dizer que o vale entre as bacias do Tunguska e do Lena teria sido atingido por um fragmento de “buraco negro” menor que a cabeça de um alfinete, mas pesando bilhões de toneladas em virtude de sua densi dade.

Esse micro meteoro, ao penetrar na atmosfera terrestre, teria provocado ondas de choque e produzido uma coluna incandescente e azulada extremamente quente, ao se deslocar a velocidade de 40.000 km/h. Simples grão de poeira cósmica, penetrou no solo sem deixar vestígio, atravessou o planeta e continuou sua viagem sem rumo e sem fim pelo universo. Segundo os físicos americanos, não foi o impacto com o solo que cau sou o cataclismo e sim a deflagração de ondas de choque decorrentes do aquecimento súbito da atmosfera no ponto em que surgiu a coluna ígnea gerada pelo deslocamento do corpúsculo.

Teoria ousada, sem dúvida, mas não destituída de fundamento Para apoiá-la, os dois cientistas estudaram os depoimentos de testemunhas da época: Velhos moradores de Tunguska se recordam de que naquela manhã tiveram sua atenção despertada por uma sucessão de explosões vindas do céu. Olhando para cima, viram uma longa e fina coluna de fogo azulado riscando o firmamento de alto a baixo, ao mesmo tempo que um trovão intermitente e profundo parecia abalar o próprio mundo. Até que a faixa incandescente atingiu a Terra em algum ponto além do horizonte, deixando atrás de si a terra queimada e arrasada.

Ao lado dessas teorias , todas plausíveis embora discutíveis; há os que vêm naquele fenômeno nada mais do que uma explosão nuclear; de potência ignorada, na época como agora. Acontece que a primeira bomba atômica construída pelo Homem explodiu à 16 de julho de I945, ou seja, 37 anos depois e, ainda assim, a energia liberada peto artefato deflagrado em Alamogordo, nos Estados Unidos, equivalia a 20 mil toneladas de dinamite, bem inferior à explosão ocorrida em Tunguska.

A conclusão é inevitável: se o fenômeno observado naquela região siberiana foi o resultado de uma deflagração nuclear, tem-se necessariamente de admitir que esta terá sido provocada por uma inteligência extraterrestre. Mas por quem e por que? Duas hipóteses procuram explicar o que teria ocorrido. Uma delas, apresentada pelo professor Liapunov, da União Soviética, diz que um aparelho vindo de outro planeta, impulsionado a energia nuclear, teria sofrido uma pane, se desgovernado e precipitado a uma velocidade vertiginosa, provocando a incandescência da nave pelo atrito com a atmosfera . Não se encontrou nenhum vestígio na área por que o combustível atômico se desintegrou ao explodir ao choque contra o solo, volatilizando aparelho e tripulantes.

A segunda hipótese , recebida com reservas mesmo pelos que defendem a existência de seres extra-terrenos inteligentes, afirma que o estranho objeto que explodiu na Terra foi urn míssel disparado de outro planeta, acidental ou propositadamente.

Bomba atômica fabricada na Terra, aparelho acidentado ou míssil extraterrestres , a hipótese de explosão nuclear ganhou certo peso depois que pesquisas realizadas por cientistas norte-americanos , em meados da década passada, revelaram que , após a explosão de 1908 , houve um aumento elevado de radioatividade na atmosfera, conforme análises feitas em amostras vegetais da época. Mas nem isso leva a uma conclusão definitiva.

E a duvida permanece: cometa , meteoro , partícula de anti-matéria, “buraco negro”, disco voador , ou o que?

Por enquanto, só uma certeza : alguma coisa explodiu na Terra naquela manhã de 1908 e até hoje ninguém sabe o que foi.

9 comentários a “O misterioso incidente de Tunguska”

  1. […] o incrível incidente de tunguska do qual não se tem qualquer explicação até hoje… Leia mais Veja Tambem […]

  2. Antoani diz:

    Muito legal !Seus posts são muito bons
    Seu link já foi publicado!
    Atenciosamente.
    Antoani/Equipe Link Premiado
    http://www.linkpremiado.com.br

  3. I presume they have marked it down since that time.

  4. Super-Duper site! I am enjoying it!! Will come back once again – taking you feeds also, cheers.

  5. Kardashian diz:

    Is this a custom word press theme? I would like to have a similar one for my blog…

  6. i haven’t observed A person excellent retort in favor for obama

  7. auto news diz:

    Outstanding weblog, thanks for writing this report

  8. jean diz:

    isso foi um teste da maior bomba atômica já “usada”, era uma imensa bomba de hidrogênio , é difícil de acredtiar nessas teorias acima…

    mas bom blog 🙂

  9. Gato-de-Guerra diz:

    Venho acrescentar outra teoria: a da realização das Profecias, em Apocalipse, e, numa das narrativas dos Evangelhos: de que o Demônio e seus anjos seguidores foram precipitados do céu na Terra, após uma batalha com os Anjos de Deus. Aquilo acontecido em 1908 nada mais foi, então, do que uma nave-mãe, em extemo poderosa, abatida lá no espaço sideral, nas vizinhanças de nosso planeta, contendo aqueles passageiros/tripulantes, os quais, uma vez caídos na Terra, passam a agir entre os humanos, dando ocasião ao “começo do fim”. Aliás, reparem: não foi logo depois disso que surgiram, a Gripe Espanhola? A 1ª Guerra Mundial? Hitler? A 2ª Guerra Mundial? A Sem-Vergonhice desenfreada?

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Revistas ameaçam a sexualidade da mulher real
Rimaik de Tartarugas Ninja ganha roteirista de "Homem de ferro"
Coca-Cola pode prejudicar o esperma
Garota joga filhotes de cachorro em rio da Croácia
Empresa lança smartphone que se integra a um tablet
Alguns atores de Hollywood seriam imortais ?
Conheça o animal mais barulhento do mundo que mede apenas 2 milímetros
Bizarros hábitos Alimentares
Monstros SA 2 já tem estréia prevista
Artistas planejam extrair DNA das fezes do escritor William Burroughs
Todos os direitos reservados - 2016